CONVÊNIO ICMS nº 106/2017: Um delírio do CONFAZ